Posts

Por acaso, terminou em artesanato

O artesanato nunca havia sido mais do que um hobby para Juliana Andreatta. Desde pequena, ela reconhece sua aptidão para a costura mas, apesar disso, não se dá muito bem com a máquina. Para ela, é linha na agulha e agulha na mão, simples assim. Aprendeu a bordar ainda criança, e, nos tempos de escola, ganhou um dinheirinho extra vendendo peças em ponto cruz para as amigas. O que Juliana não sabia é que isso era o broto do empreendorismo em sua vida. Mais tarde, escolheu como formação acadêmica o curso de Produção em Audiovisual, mas, em 2009, um ano antes de terminar, o artesanato laçou Juliana de fato. A artesã teve uma madrinha que fez sua ponte no ofício. O curioso é que nunca chegou a conhecer tal madrinha.

Dona Ondina era avó de seu namorado e, mais do que isso, uma artesã nata. Juliana, mesmo sem conhecê-la, sabia que ela fazia muitos trabalhos em costura e era superenvolvida com o artesanato. Há quatro anos, dona Ondina faleceu e deixou no mundo o que mais tarde cairia nas mãos da amadrinhada: uma sacola cheinha de feltros. A sogra de Juliana, sem muitas pretensões e a serviço do acaso, deu a herança a ela por saber que gostava do ramo da costura. A artesã e seu namorado, então, começaram a brincar fazendo bonequinhos Toy Arte, as ideias vinham e Juliana se punha a costurar. Os amigos logo perceberam sua sina artística e, em meio a muitos elogios, começou a fazer encomendas para pessoas próximas e, de quando em vez, vender seus feltros em bazares. Antes dos elogios e incentivos externos, o que fez Juliana seguir em frente foi a identificação. Percebeu que estava gostando muito de costurar e não se cansava. Havia, de fato, prazer naquilo. Juliana, na verdade, seguiu em frente porque se apaixonou. “Sou muito grata a dona Ondina. Não a conheci, mas ela faz parte inerente da minha história! Sou muito feliz sendo artesã, uma pessoa muito mais tranquila.”

Em 2012, Juliana montou seu perfil em um site de e-commerce e deu início ao seu negócio. Um ano depois, criou sua própria empresa, a Policromata Artes, de peças basicamente em feltro. “Gosto do feltro pelo fato de não desfiar, posso costurar à vontade e sem depender da máquina.” Não imaginava que o artesanato tomaria conta de sua vida de tal forma, sua gratidão pela profissão fica à flor da pele todas as vezes que satisfaz um cliente. Após o término a faculdade, apesar de estar laçada pelo artesanato, fez, e ainda faz, alguns trabalhos de produção em audiovisual. E o melhor é que conseguiu promover o casamento das duas profissões: produziu algumas cenografias em feltro para programas. Sua maior emoção foi fazer o cenário do evento “Álbuns Clássicos” da MIXTV, que contou com a presença de várias bandas brasileiras em uma sequência de shows ao vivo. “Chegar ao show e olhar todo aquele cenário feito pelas minhas mãos foi uma experiência surreal.” Ter o prazer de trabalhar no que ama é para poucos. Juliana, sem dúvidas, é honrada pelo dom. E, mais uma vez, agradecemos a dona Ondina pela ponte entre a artesã e seu artesanato e, principalmente, por levá-la a reconhecer seu talento. 


Juliana arrasou no cenário do festival da MIXTV! Tudo em feltro

Comentários
Comentário(s)